Quais leguminosas podem ser rastreadas?

Na prática, a resposta é que muitas leguminosas podem contar com o sistema de rastreabilidade para registrar todo o processo de produção e deixar as informações disponíveis aos consumidores, a exemplo do feijão, da ervilha, lentilha, grão-de-bico e amendoim. Especialmente nesta data em que é comemorado o Dia Mundial das Leguminosas – 10 de fevereiro –, vamos ressaltar aqui no blog algumas questões relacionadas ao sistema, reforçar as vantagens deste aos produtores, distribuidores, varejistas e a segurança que a rastreabilidade transmite aos consumidores.

Se você nos acompanha aqui no blog já deve ter visto alguns conteúdos relacionados à Instrução Normativa Conjunta 02/2018, estabelecida pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), certo? Então, é válido reforçar que a rastreabilidade de alimentos já é uma exigência para determinados grupos de vegetais, inclusive, alguns clientes do Origem Garantida – produto O Agro – relatam que a venda para grandes mercados só foi possível graças a adoção do sistema de rastreabilidade.

A rastreabilidade está se consolidando como uma solução sólida para o mercado alimentício e cada vez mais a legislação vai exigir a tecnologia para assegurar a saúde e o bem-estar da população. Um exemplo é o Governo de Santa Catarina. A partir deste ano, os laticínios catarinenses deverão adotar a rastreabilidade do leite. A medida faz parte da Portaria SAR 44/2020, elaborada pela Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural e publicada no início de janeiro. Assim deverá ocorrer também com o grupo das leguminosas.

A questão é que o compromisso do produtor-distribuidor-varejo vai muito além de se enquadrar na legislação, a segurança alimentar também é um compromisso deles – ou sua, se você faz parte de um destes três grupos. Disponibilizar informações sobre a produção comprova a dedicação em adotar tecnologias, manejos eficientes e estar inovando cada vez para aqueles que consumirão os seus produtos. Estar um passo à frente – adotar uma tecnologia antes mesmo de virar lei – revela muito sobre o gerenciamento de um negócio e as aspirações diante de um mercado cada vez mais competitivo.

Você sabe quais outras leguminosas podem ser rastreadas e como funciona o sistema para esta categoria de alimentos? A equipe O Agro tem o prazer de trocar uma ideia com você sobre o assunto. Entre em contato: (55) 9.9707-0909 ou pelo e-mail contato@oagro.com.br.

Você provavelmente já consumiu uma pulse!

Nesta semana nossa equipe fez uma enquete nas redes sociais – em alusão ao Dia Mundial das Leguminosas e também Dia Mundial das Pulses – e descobrimos que muita gente não sabe o que é uma pulse, apesar destas serem bem conhecidas na culinária brasileira. As pulses são leguminosas secas, não oleaginosas, ricas em proteínas, fibras e vitaminas. São exemplos feijão, ervilha, lentilha, grão-de-bico.

Portanto, este dia 10 de fevereiro também pode ser considerado o dia destas. A instituição da data é uma iniciativa da FAO, o órgão das Nações Unidas para alimentação e agricultura, que destaca o papel das pulses como alimentos sustentáveis e saudáveis.

Rastreie suas leguminosas ou pulses!

O Origem Garantida está presente em diversas regiões brasileiras rastreando diversas produções e impulsionando negócios no mercado de alimentos. A próxima região pode ser a sua, só é preciso você dar o primeiro passo.

1º passo: conheça mais!

Deixe uma resposta