3 dicas antes de investir na rastreabilidade de alimentos

Antes de investir na rastreabilidade da sua produção de alimentos, não importa a dimensão do investimento, você precisa estudar, quantificar os “prós” e os “contras” e analisar as principais demandas do seu público-alvo – muito importante: você sabe quem é o seu público-alvo? Vários são os fatores para se atentar na hora de dar “um passo” a mais nos negócios, especialmente àqueles voltados ao fornecimento de alimentos. E é aí que você entra, agricultor(a). Se você tem interesse em investir em um sistema de rastreabilidade, leve em consideração estas três dicas que separamos. Confira:

1 – Entenda a importância do sistema de rastreabilidade para os seus negócios

Para começar, precisamos frisar que a rastreabilidade já é lei em algumas produções – aqui no blog você vai encontrar muitas informações sobre a INC 02/2018, por exemplo – então, além de você atender às normas vigentes, vai estar reforçando o seu compromisso com a saúde e o bem-estar do consumidor. Sendo assim, o sistema é muito importante para os seus negócios.

A relevância da origem e da sanidade dos alimentos foi reforçada nesta temporada de pandemia gerada pelo Covid-19. Muitos especialistas afirmam, inclusive, que hábitos praticados durante este período devem continuar no “pós-coronavírus”, ou seja, se os consumidores adotaram novos hábitos, como analisar o impacto social dos produtos, a segurança, a transparência, o sabor e o quanto eles somam em sua saúde, esses fatores vão impactar na experiência de compra mesmo após a situação se estabilizar. Observe as movimentações do mercado, as exigências do seu público-alvo, consuma informações de fontes confiáveis, fique atento às tecnologias e às novas modalidades de fazer negócios.

2 – Escolha um sistema confiável

O portfólio de empresas neste segmento é vasto, mas você precisa observar alguns pontos para que sua experiência com o sistema atenda às suas expectativas. A supervisora de clientes da O Agro – Softwares para o Agronegócio, a engenheira-agrônoma Andressa Calderan Bisognin, elenca os principais pontos a serem observados na hora de escolher a empresa e o sistema oferecido:

  • O sistema de rastreabilidade deve atender à legislação.
  •  O sistema precisa atender a sua necessidade.
  • O manuseio deste deve ser prático e facilitar a sua rotina.
  • Confirme se a empresa oferece treinamento para o correto manuseio da ferramenta.
  • Saiba como funciona o suporte desta empresa, os profissionais vão estar disponíveis para atendê-lo a qualquer momento? Que canais a empresa tem para este tipo atendimento?
  • Aliás, analise o atendimento fornecido pela empresa.
  • Os profissionais precisam demonstrar domínio no assunto. Eles conseguiram esclarecer todas as suas dúvidas sobre o sistema?
  • O repasse de informações ao consumidor final é prático e preciso?

Outro ponto importante destacado pela agrônoma é o armazenamento das informações do sistema de rastreabilidade. “A segurança no armazenamento dos dados é muito importante. Além disso, essas informações devem sempre estar disponíveis para o agricultor”, salienta a profissional. Atualmente, a O Agro conta com um aplicativo que funciona off-line para registros de campo e produção, o que também agrega na facilidade de entregar as informações ao consumidor final e mais praticidade para o trabalho no campo.

3- Avalie o custo benefício

O sucesso dos negócios depende do “aceitar o desafio”. Para ser competitivo no mercado, você precisa se reinventar, e adoção de tecnologias, a exemplo da rastreabilidade, já são uma realidade para quem pretende seguir na área de produção de alimentos. É preciso ter ciência de que o retorno econômico é gradativo. O estudo, as avaliações e os cálculos são importantes, mas a vontade de se adaptar às novas formas de negócios também é um diferencial. Novos mercados abrirão se você estiver disposto a se transformar enquanto empreendedor(a).

Vantagem O Agro: Troque pontos Orbia pelo nosso software de rastreabilidade.

Checklist do bom fornecedor de alimentos

  • Atender todas as normas vigentes
  • Ser comprometido com o bem-estar e a saúde da população
  • Estar disponível para aprender e se adaptar às novas formas de negócios
  • Usar ferramentas que assegurem e reforcem a transparência do trabalho
  • Fazer investimentos visando sempre a qualidade do produto final

Colaboração: Equipe da Novo Rural

Deixe uma resposta