3 formas de identificar a rastreabilidade em alimentos

Quem já realiza a rastreabilidade de alimentos ou conhece um pouco sobre o assunto, deve saber que tão importante quanto registrar as informações mínimas obrigatórias é deixá-las disponíveis para serem acessadas, tanto pela fiscalização, quando necessário, quanto pelos consumidores.

Mas você sabe como identificar um produto para mostrar que ele possui rastreabilidade?

Segundo a normativa (INC 02/2018), a identificação da rastreabilidade em produtos vegetais frescos “pode ser realizada por meio de etiquetas impressas com caracteres alfanuméricos, código de barras, QR Code, ou qualquer outro sistema que permita identificar os produtos vegetais frescos de forma única e inequívoca.” Essa identificação pode estar presente nos próprios alimentos ou em seus envoltórios, caixas, sacarias e demais embalagens.

Considerando a normativa e também a realidade dos produtores de frutas e hortaliças que são nossos clientes aqui na O Agro, listamos 3 formas de identificar a rastreabilidade em alimentos.

1 – etiqueta

Cada vez que um lote de produção é formado e expedido, são impressas as etiquetas com as respectivas informações desse lote. Na maioria dos casos, a etiqueta é colada na embalagem do produto. Essa é uma opção que requer organização e mão-de-obra para o processo de colagem. A seguir trouxemos dois exemplos de modelos de etiqueta. Se a câmera do celular for apontada para o QR Code, vão estar disponíveis todas as informações sobre o lote em questão.

Modelo de etiqueta vertical
Modelo de etiqueta horizontal

Neste caso você vai precisar de uma impressora, etiquetas e ribbon.

2- QR code fixo + código do lote

Na maioria dos casos, esta é uma opção mais econômica do que a anterior. Isso porque na hora da impressão da própria embalagem dos alimentos já é colocado um QR Code fixo, junto com outras informações como nome e logo da empresa. Mas atenção: esse QR Code fixo serve para vincular a consulta às informações do produto de forma geral e não do lote específico. Por isso, é importante que o código de rastreabilidade do lote também conste na embalagem, podendo ser adicionado posteriormente por meio de carimbo, adesivos, escrita à mão, ou a melhor forma que se adaptar ao material da embalagem.

Dessa forma, quando alguém fizer a leitura do QR Code, vai ter acesso às informações do produto e quando digitar o código do lote na consulta, vai visualizar as informações específicas daquele lote.

3- placa de gôndola

A placa de gôndola é uma forma prática para aqueles produtores que não possuem tempo e nem mão-de-obra suficiente para identificar a rastreabilidade da sua produção por meio das opções que apresentamos anteriormente. Por isso, cada lote expedido conta com sua respectiva placa de gôndola, que contém basicamente as mesmas informações da etiqueta, mas que, como o próprio nome já sugere, deve ser exposta nas gôndolas de supermercados e fruteiras. Essa placa também pode ser disponibilizada nos estoques de centros de distribuição ou varejos, junto às caixas ou demais embalagens em que estão os alimentos.

Apesar de oferecer mais praticidade ao produtor, é preciso atenção a alguns detalhes. Com essa opção, o consumidor não poderá fazer a consulta da rastreabilidade na sua casa, por exemplo, já que a placa fica fixa na gôndola. Além disso, é preciso cuidado para que a placa esteja realmente visível e acessível, tanto nas gôndolas quanto no estoque onde está o produto.

Modelo de placa de gôndola

Essas são algumas formas que podem ser utilizadas para identificar a rastreabilidade em alimentos, não só para fins de fiscalização, mas também para diferenciar e agregar valor aos vegetais comercializados. Se você produz frutas e/ou hortaliças e está com dúvidas sobre a melhor forma de identificar a rastreabilidade nos seus produtos ou até mesmo como funciona o processo, pode entrar em contato com nossa equipe para conversar.


Deixe uma resposta